quarta-feira, agosto 18, 2004

ABRIGO

Ele chegou e me viu por dentro.
Compreendeu minha angústia e, cúmplice, silenciou.
Não fez perguntas.
Generoso, ofertou-me seu colo.
Recebi seu calor, súplice.
Adoraria poder falar-lhe da dimensão do meu amor, da profundidade dos meus tormentos, da gratidão que sinto quando permanece ao meu lado mesmo sem entender... mas não posso.
Minha boca esfaimada abriga uma garganta rouca. Ela grita, mas é para dentro. Seus ecos ressoam internamente e por lá se perdem, tantos são os meus desvãos.
Sei apenas que o entrelaçar de nossas mãos não deixa dúvidas quanto ao caminho que escolhi: fluir e nele desembocar.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito buena sorte aqui, tenho certeza que vc vai escrever coisas mais maravilhosas ainda!!! Beijos, Bel

Lu disse...

Belzita, que honra!
Você bem sabe que sem sua intervenção, o glossolalia não existiria. Besos.

Alessandra Espínola disse...

Ai, minha querida, é uma delícia esse espaço, você escreve lindamente, emoção pura, sensibilidade, beleza de enlevar e levar a gente pra um lugar sei lá onde, mas que não queria voltar... precisamos desse caminho pra agüentar o rojão, não é mesmo?! Abraço forte!