quinta-feira, setembro 02, 2004

Desapego

Hoje eu não vou revolver a terra, não vou desarrumar gavetas, não vou vasculhar armários e bolsos, eu não vou procurar explicações.
Vou livrar-me dessas buscas. Começarei queimando papéis, palavras antigas, cartas. Lançarei fora tudo que é vão.
Pego o pacote que diz: cartas a mim mesma.
Quem no mundo escreve cartas para si próprio? Para quê? Qual o valor?
Para não cair em tentação de tentar justificar tamanha incongruência, rasgo os envelopes e preparo a fogueira.
O fogo queima, exorciza e santifica o passado.
Aspiro e sinto no ar o cheiro de incenso.

8 comentários:

Anônimo disse...

Lu, minha Lu: e quando a posta-restante recusa-se a ser queimada? E quando precisamos abrir - envelope a envelope - as cartas que nos escrevemos loucamente? E quando elas - por surpresa ou desatino - depois de anos de susto e redenção, finalmente estão em branco? Beijos na alma. Lia
www.margaridas.weblogger.terra.com.br

Lu disse...

Minha Lia, penso eu que nesses casos ainda não se fez tempo de fogueiras e renascimentos... tempo virá em que também sentirás essências no ar. Beijo.

Marcos disse...

A limpeza de gavetas é feita por mim pelo meos uma vez ao ano. Mas sempre vai alguma coisa pra fogueira que mais tarde faz falta. Muita coisa se perdeu de um passado mal entendido.
Marcos
www.esculachoesimpatia.zip.net

Lu disse...

Marcos, de fato, nesse tipo de limpeza sempre há algo de que nos arrependemos mortalmente por termos jogado fora, contudo, existe uma outra limpeza que tem valor de sobrevivência e dessa, eu não me arrependo, ainda que às vezes doa. Beijo.

Lu disse...

Marcos, de fato, esse tipo de limpeza às vezes causa um certo arrependimento, mas o tipo de limpeza que me refiro tem cheiro de sobrevivência. Beijo.

Anônimo disse...

Lu: a ruptura com o passado é sempre um pouco traumática devido ao apego, ao medo do incerto, à insegurança do futuro. Aí ficamos nos agarrando a migalhas extemporâneas, muitas vezes já emboloradas. Mas a gente não percebe e continua guardando os entulhos. Essa limpeza de que você fala significa renovação, abertura ao novo. Bem-aventurados os sábios que conseguem fazer esse exorcismo.
Abraços de luz,
José de Castro.

Anônimo disse...

Lu: a ruptura com o passado é sempre um pouco traumática devido ao apego, ao medo do incerto, à insegurança do futuro. Aí ficamos nos agarrando a migalhas extemporâneas, muitas vezes já emboloradas. Mas a gente não percebe e continua guardando os entulhos. Essa limpeza de que você fala significa renovação, abertura ao novo. Bem-aventurados os sábios que conseguem fazer esse exorcismo.
Abraços de luz,
José de Castro
http://josedecastro.zip.net

Lu disse...

Meu amigo Castro, estou muito feliz por ter conseguido me desapegar desses "entulhos" de que falas tão bem.
Tudo o que eu quero é descamar, despetalar, me preparar para novas estações.
Obrigada pelo abraço, iluminou tudo por aqui.