terça-feira, setembro 05, 2006

Vitrine (2)

Não resisti e pedi permissão para postar aqui.
Espero que se enterneçam como eu.

sentei-me comigo. no outro lado da tarde. e já era tão tarde. entre nós o silêncio reconhecido. tarde demais. o de muitos anos. entardecido. a metade do espelho estalado pelos punhos de um monólogo longo a cruel onde às respostas tardias se colaram caminhos escavados com a alma cheia de nada. sentei-me comigo debaixo da oliveira. ao nosso lado o mar e a terrível claridade da água. filtro de todas as tardes metáforas ironias figurações e ecos.

Obrigada Mendes Ferreira!
Beijo.

3 comentários:

Marcos disse...

Não se me enterneci ou senti piedade.

adelaide amorim disse...

Um texto bonito e triste, Lu. Mas não consegui abrir o link. Um beijo grande.

Lu disse...

Marcos, normalmente as coisas que nos enternecem nos despertam a compaixão... abraço.

Dade, concordo com você. Que pena que não conseguiu chegar ao blogue do Mendes Ferreira. Beijão.