terça-feira, outubro 26, 2004

Há dias em que amanheço assim: rastejando sentidos.
Vejo incompletude em tudo e eu busco um ponto final, palavras terminativas, o próximo capítulo.
Estou farta de andar por vagas, terrenos movediços que cedem à mais leve pressão dos pés.
Eu não quero delicadezas.
Quero o peso conclusivo do discurso removendo minhas entranhas até clarear meu olhar.
Não creio (mas tem quem prove!) que a bruma densa que vejo seja sinônimo de lirismo e não de vertigem.
Não gosto de abismos, se ando por eles é por pura imposição, por circunstâncias.
Tão logo eu encontre a explicação, amanhecerei diferente.

6 comentários:

jayme disse...

Brumas, na dúvida, devem mesmo ser consideradas sintoma de vertigem. Beijo.

Lu disse...

É Jayme, a gente sabe quando a bruma é sinal de deleite ou de perigo. Beijo.

Anônimo disse...

Hum, analisar a vida não é meu forte. Já perco muito tempo tentando viver, pra quê desperdiçá-lo tentando entender o inteligível? Ah, deixa o trem andar. Eu tô no vagão.
Marcos
www.esculachoesimpatia.zip.net

Anônimo disse...

É por isso que eu sou uma apaixonada pela palavra. Ela consegue despertar infinitas leituras. Abraços.

tweedledeetweedledum disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

I came across you blog and thought you may find this site usefull. It has gas saving tips and where to find cheap gas. download winmx

:)