quinta-feira, fevereiro 15, 2007

Vitrine (3)

O Edilson Pantoja concedeu-me o direito de publicar este seu mini-conto.
Obrigada, querido.
O Imortal

Era meio-dia e meia quando os dois chegaram. Encostaram-se no muro, próximo do largo portão. O mais velho arriou sua forma de isopor na calçada, no que foi imitado pelo mais novo. Logo a carícia no ombro marcado pelo náilon. Ficaram ali, atentos aos que entravam. E como mais de uma hora se passou desde que chegaram, dividiam um picolé. De repente o mais velho cutucou o outro.
- É aquele ali!
- Qual? Aquele?
- Sim, quem mais? Esse mesmo, de flor na orelha e jeans. O imortal. Ih! Disfarça, ele tá olhando pra cá! Quer ver se alguém lhe segue. Puxa! Demos sorte, mesmo!
- Não acredito! Tem certeza de que é esse? Eu juro que não acredito! E acho que não quero mais ver... Vamos embora?
- O quê?! Desistir agora, depois de tudo?!
- Desculpa, mas acho que tô com medo...
- Não te preocupa. Ele não faz mal a ninguém. É sabido demais para machucar alguém. Dizem que tem dois mil e quinhentos anos.
- Quem diz?
- Ah!, não lembro! Dizem por aí.
- A história da água?
- Sim. A história da água... Ele bebe a si próprio. Sempre. Por isso não morre. Olha!, tá virando a esquina que dá para o horto. Vai ser agora! Pshh! Vem, vamos lá. Vamos ver. Não vais acreditar. Eu também não acreditei quando vi a primeira vez.
- Tô tremendo. Acho que não vou conseguir olhar. Vou fechar os olhos.
- Não! Abre! Olha lá! Não falei? Ele tá se engolindo... Meu Deus!Enquanto o imortal se engolia, os meninos, perplexos, vomitavam o picolé.

6 comentários:

Jefferson P. disse...

Meu Deus!!! que texto intrigante, quase saltei da cadeira pra dentro da tela pra conhecer o imortal tbm..rsrsr. Afinal, quem é ele?
Abrçs

jefferson p.

Lu disse...

Hahaha... é bem isso que o texto do Edilson provoca, não é Jefferson? Uma curiosidade doida de estar presente nesse ritual canibalista.
A pergunta só o autor pode responder, mas eu duvido que ele queira contar o segredo.
;o)

Sandman of the Endless disse...

Muito surreal, não é mesmo Lu?

Lu disse...

Total, Ed.
Beijos

Edilson Pantoja disse...

Oi, Lu!
Querer, até quero, mas também não sei explicar.
Abraço e obrigado, querida!

CeciLia disse...

Oi, minha Lu.

Gosto de ler vocês. Uma passada pra dizer de saudades.

Beijos