domingo, julho 16, 2006

Teorias amorosas (2)

- O amor pode até acabar. É claro que isso não é bom, é triste, exige uma reeducação, um aprendizado de asas partidas.
- ...
- O que não pode nem deve acabar é a delicadeza do tempo, de tempos vividos.
- ...
- Garçon, um frisante.
- ?
- Brindarei às bolhas.
- O que tem elas?
- São como o fim do amor. Sentimos uma leve cócega ao final do gole que é para nos lembrar que não estamos de todo mortos.

14 comentários:

Agripina Roxo disse...

e eu acabei de sentir as bolhas do teu texto :)
fiquei muito contente por descobrir este espaço :)
um beijinho muito grande daqui de longe

Marcos disse...

O amor acabado só deixa cóceguinhas? Hehe, boa analogia.
Enfim apareceu, hein, mocinha?

Lu disse...

Ainda estou longe de sentir apenas as cócegas das bolhas.
Agripina, contente estou eu por tê-la aqui :o)

Marcos, vai desculpando aí... eu andava sumida até de mim.

Alessandra Espínola disse...

rindo... parece até masoquismo isso... mas é bem por aí, coceirinha na ferida!

Lu disse...

Alê, não é masoquismo... é tentar rir de mim mesma apesar de tudo; diria que é uma questão de sobrevivência.

Vítor Leal Barros disse...

não estamos mortos não senhor

Mulher de Sardas disse...

e não estamos mesmo!!!!

tem muito amor no mundo para amar...

beijinhos.

Lu disse...

Vítor, existe um momento em que a morte nos invade. Eu não esquivo disso... o ritual da vida não subestima a morte.

Mulher de sardas, deve haver, deve haver... caso contrário seria insuportável.
Beijo.

Anônimo disse...

como faz mesmo para lembrar essa sensação de estar vivo?

Camila do eloqüência

CeciLia disse...

Lu, nada de mortes, nada. Se o coração finge dormir, se bate devagarinho, por vezes, é para dar um tempo à vida: ela volta mais forte, mais sábia, mais densa.

Beijo na alma, querida. Que bom que voltaste.

adelaide amorim disse...

Pois é, Lu... Não estamos de todo mortos, e portanto ainda vamos voltar a amar. Um beijo grande e não some não, viu?

Lu disse...

Mila, no meu caso, toda vez que respiro. Beijão, flor.
Minha Lia, é tudo o que meu coração não faz: fingir. Ele pulsa forte, está atento a todo e qualquer barulho. A vida vai ganhar, eu sei. Saudades, querida.
Dade, não sumo, pode deixar. Outro beijo grande.

Nayá disse...

Querida Lu,

Voce é uma dessas pessoinhas inesqueciveis que passam pela vida da gente!

FELIZ ANIVERSARIO!!! Um beijo enorme da sua amiga!

Saudade!

Yayá

Passe lá pelo meu blog novo...agora no blogspot também!

Lu disse...

Yayá!!! Saudades, saudades, saudades!
Olha só quem fala! Você é um amorzão, linda. Vou te visitar, pode apostar.
Beijão.